Corpo líquido

Cuide melhor do seu corpo e do seu bem-estar, com dicas de saúde, prática de exercícios físicos, alimentação e hidratação.

Em boca fechada não entra água salgada: saiba porque é importante evitar engolir água do mar nos mergulhos do verão.

Quem gosta de dar um bom mergulho ou pratica alguma atividade esportiva no mar certamente já engoliu um pouco de água salgada. Muitas vezes, com ondas fortes, é bastante complicado evitar essa situação, mas, um estudo britânico revelou uma descoberta que vai incentivar todo mundo a manter a boca fechada quando entrar no mar.

Já se sabe a água do mar não é potável, que não deve ser consumida em função da elevada concentração de sal que apresenta. Essa água é rica em cloreto de sódio, o mesmo sal que usamos para preparar alimentos, e esse excesso de sal no nosso corpo faz com que as células comecem a perder água por osmose, o que provoca desidratação. Além desse problema, a água do mar possui alguns outros sais que provocam irritação intestinal. Essa irritação pode desencadear quadros de diarreia e, consequentemente, levar à perda de uma maior quantidade de água.

Porém, um estudo realizado por pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Exeter, no Reino Unido, aponta que engolir água do mar com frequência pode aumentar a contaminação por superbactérias. Neste cenário, os surfistas é que estão expostos a um risco 9 vezes maior.

Este estudo comparou os resultados de bactérias presentes no intestino de 300 pessoas: 150 delas têm o hábito de surfar regularmente e as outras 150 praticavam poucas atividades no mar. Os resultados mostraram que 9% dos surfistas, em comparação com 3% das pessoas que não praticavam a atividade, carregavam uma espécie de E. Coli (bactéria presente nas fezes) resistente à cefotaxima, antibiótico comumente usado contra essa bactéria.

Mesmo sendo uma amostra pequena e com uma porcentagem não muito expressiva, já é possível encontrar uma relação entre o aumento da resistência ao antibiótico com a quantidade de tempo gasto no mar. De acordo com os pesquisadores, antimicrobianos são comumente utilizados na medicina, agricultura e outras áreas públicas e as práticas de tratamento de águas e resíduos podem transportar essas substâncias diretamente para o oceano, onde surfistas e banhistas podem estar expostos a elas.

 

Então, na hora de entrar no mar, redobre o cuidado para não ingerir água e aproveite o verão! 😉

 

Está precisando de um motivo para sair do sofá? Veja 5 ótimas razões para você começar a se exercitar hoje mesmo!

O Dia do Esportista está chegando e queremos lembrar a importância da atividade física para uma vida mais saudável. Pesquisas recentes apontam que quase metade dos brasileiros (45%) estão sedentários.

A prática de exercícios físicos, além de uma alimentação saudável e hidratação correta trazem inúmeros benefícios à saúde física e emocional e podem até ajudar no seu desempenho nos estudos e no trabalho. Se você estiver com o corpo parado, tente inserir atividades mais básicas no dia a dia, como subir as escadas em vez de pegar o elevador, dançar enquanto limpa a casa e ir caminhando para o trabalho de vez em quando.

 

Vamos listar  aqui 5 motivos pelos quais você deve começar a se exercitar hoje mesmo:
1) Melhora a postura e a flexibilidade: com exercícios localizados, os músculos das costas e do abdômen reeducam o corpo, prevenindo contra dores musculares; o alongamento de diferentes grupos musculares deve ser feito regularmente ao longo da semana e aumenta a flexibilidade do corpo.

2) Fortelece o sistema imunológico e diminui o risco de diversas doenças: a prática de atividade física aumenta a imunidade do organismo e ajuda a inibir, por exemplo, os famosos resfriados. Reduz o colesterol ruim, pois cataboliza gorduras que circulam pelo organismo, combate a osteoporose, pois fortalece a massa óssea devido ao impacto promovido pelos exercícios no corpo e ainda diminui os riscos do câncer de mama, pois os exercícios diminuem os níveis de estrogênio – hormônio intimamente ligado a este tipo de câncer.
3) Quem se exercita, prospera: uma pesquisa recente feita pelo economista Vasilios Kosteas, da Cleveland State University, revela que pessoas que fazem exercícios físicos pelo menos três vezes por semana ganham 9% mais do que sedentários. Quem malha de uma a três vezes na semana, ganha 5% a mais. Segundo o pesquisador, a ginástica ajuda no foco e na atividade cerebral, liberando endorfinas e melhorando a saúde e as habilidades físicas e emocionais das pessoas. Tudo isso, claro, resulta em um profissional mais produtivo, capacitado e qualificado.

 

4) Melhora a autoestima e até o desempenho sexual: quem é ativo regularmente passa a sentir os efeitos psicológicos positivos dos exercícios físicos, como aumento da autoestima e mudança da autoimagem, que melhora até entre os mais tímidos. Os treinos também podem ser benéficos para aumentar o desejo sexual e, ainda, prevenir e tratar a disfunção erétil, por exemplo. Um estudo da University of California mostrou que corridas de 15 a 20 minutos de duração, todos os dias, são suficientes para aumentar a libido de mulheres e homens com problemas de desejo. Além

 

5) Regula o sono e auxilia no tratamento de doenças emocionais: os tradicionais remédios contra a depressão nem sempre fazem o efeito desejado e, no lugar deles, os exercícios físicos podem conseguir reverter o quadro, conforme indicam diversas pesquisas. A prática de exercícios ajuda a diminuir a ansiedade e regular o sono, sendo importante em diversos tratamentos emocionais, uma vez que libera endorfina no organismo, substância responsável pela sensação de bem-estar.
Fonte: G1 e Exame

DESCUBRA 5 MOTIVOS PARA APRECIAR COM MODERAÇÃO OS BANHOS QUENTES NO INVERNO.

Quando chega aquele friozinho do inverno, tomar banho pode ser uma tarefa difícil, não é? Aumentar a temperatura da água no banho é mais que normal, além de tornar o banho um momento de relaxamento e conforto, mas abusar da água muito quente não é inofensivo e tornar aqueles banhos cheios de vapor um hábito diário pode trazer alguns malefícios ao nosso corpo, pele e cabelos.

Listamos aqui 5 motivos pelos quais você deve tomar um pouco mais de cuidado com os banhos quentes nesse inverno:

  1. Aumento da oleosidade

Durante o banho com água muito quente, as glândulas sebáceas são altamente estimuladas, produzindo mais secreção, tanto no couro cabeludo quanto no rosto, aumentando a oleosidade da pele nesses lugares.

  1. Queda de cabelo

O estímulo exacerbado nas glândulas sebáceas também pode causar uma doença de pele muito comum: a dermatite seborreica. Essa doença provoca manchas vermelhas no couro cabeludo e até mesmo em outras partes do corpo, além e de aumentar a queda de cabelo.

  1. Caspa

A famosa e temida caspa também está ligada à dermatite seborreica, doença que pode causar descamação no couro cabeludo. Melhor evitar o pozinho branco caindo na roupa e nos ombros o tempo todo, não é?

  1. Pele áspera

A combinação da água quente e sabonete ou buchinha de banho acaba removendo a hidratação natural da nossa pele, muitas vezes em camadas mais profundas da epiderme até, removendo as ceramidas. A pele perde a oleosidade e a hidratação naturais, ficando com aspecto de ressecada e envelhecida, perdendo maciez e suavidade.

  1. Urticária

Não é tão comum quando a caspa o a dermatite seborreica, mas existem muitas pessoas que têm alergia à água em altas temperatuas e desconhecem esse fato. Para essas pessoas, os banhos quentes podem desencadear uma reação alérgica chamada urticária, que se caracteriza por vergões vermelhos e salientes na superfície da pele, que geralmente provocam muita coceira.

Portanto, por mais gostoso que seja tomar aquele banho bem quente, o ideal é que a água seja mantida em água temperada. Se você sente muito frio e não quer abrir mão desse hábito, lavar os cabelos no tanque com água morna pode ajudar a amenizar os efeitos negativos da água quente. Procure também deixar cair um pouco de água fria sobre o corpo antes de sair do chiveiro, depois do banho quente :)

 

Precisamos falar sobre os resíduos de antibióticos presentes na água.

Os  resíduos de antibióticos presentes no esgoto doméstico estão tornando as bactérias mais resistentes e é um problema que pode causar 10 milhões de mortes por ano se não for controlado.

A resistência a antibióticos é um desafio urgente da saúde pública mundial. O que antes foi o motivo para a melhoria da qualidade de vida e da saúde de muitas pessoas pode representar um enorme risco agora. Nas últimas décadas, houve um aumento generalizado da utilização de antibióticos tanto na saúde humana quanto na medicina veterinária. Além disso, existe um enorme mercado para antibióticos em produtos de higiene pessoal, limpeza doméstica e desinfecção de superfícies (bancadas, ferramentas e utensílios diversos).

Como os agentes antibióticos têm sido utilizados mais amplamente nos últimos anos, os microrganismos têm se tornado cada vez mais resistentes a eles. Agora, é comum ver agentes antibióticos que funcionavam bem há 20 anos atrás, e que hoje não mais apresentam eficácia.

Os resíduos antibióticos podem entrar no ambiente aquático através de efluentes de indústrias envolvidas na produção de antibióticos, hospitais ou pela eliminação direta (intencional ou não) no sistema de saneamento. Além disso, uma quantidade significativa dos antibióticos é descartada pelas fezes humanas, numa forma ainda biologicamente ativa.

Os antibióticos presentes em águas residuais são um problema potencial porque: os contaminantes químicos podem ser ingeridos e causar problemas de saúde e, além disso, no meio aquático, as bactérias mais resistentes podem alterar a biodiversidade natural dos ecossistemas.

De todo o esgoto produzido pelos brasileiros, apenas 1/5 é tratado a ponto de voltar aos rios e represas como água potável. O restante, que representa a maior parte, é tratada de forma parcial, removendo apenas os organismos patogênicos mais fracos. A situação fica ainda pior quando sabemos que este mesmo esgoto tem altos níveis de medicação anti-retroviral parcialmente metabolizada.

Isto significa que estamos expondo tanto populações bacterianas e virais em perfeitas condições para um rápido crescimento, na presença de um coquetel de medicamentos destinados a matar os patogênicos.

 

O QUE PODEMOS FAZER SOBRE ISSO?

 

INFORMAÇÃO

Estamos na era da informação e é muito importante saber mais sobre agentes patogênicos (bactérias e vírus). Existem milhares de artigos de qualidade sobre o tema disponíveis na internet.

 

PRECAUÇÃO

Não consumir água vinda diretamente de rio ou água de barragem, pois o potencial de contaminação é muito alto. É essencial consumir água potável, tratada por estações de tratamento. Além disso, para não dar continuidade a este ciclo, é importante nunca dispensar qualquer tipo de medicação no vaso sanitário.

 

PURIFICAÇÃO

Mesmo consumindo apenas água tratada, as estações concessionárias muitas vezes não eliminam completamente este tipo de agentes, sem contar na possível contaminação das tubulações. Por isso, ter um purificador que protege você e a sua família contra bactérias e vírus é uma medida preventiva muito eficaz.

 

EUROPA patrocina a 4a edição da DOG RUN em São Paulo. Confira!

EUROPA Dog RunO cachorro é, de fato, o melhor amigo do homem, porque até na hora da corrida, eles não se separam. Na DOG RUN, cães e seus donos caminham e correm juntos, num evento esportivo para toda a família, repleto de atrações e diversões.

Na manhã do dia 9 de abril, mais de 1.000 pessoas se reuniram no estacionamento do shopping SP Market para participar de 2 modalidades de percurso, totalizando quase 2 quilômetros: uma cãominhada e uma cãorrida.

A prática de exercícios físicos só traz benefícios, tanto para os cachorros quanto para as pessoas e a EUROPA, comprometida em levar mais saúde para todos os brasileiros, marcou presença como patrocinador do evento, apresentando seu mais recente lançamento: o EUROPA for pet, um purificador de água para cachorros.

EUROPA Dog RunPara manter os pets todos hidratados durante o evento, a EUROPA forneceu diversos produtos, que levaram água de qualidade aos bichinhos. Os primeiros 5 homens e as primeiras 5 mulheres a cruzarem a linha de chegada receberam um troféu e um kit da corrida de presente.

Se você também ama correr e tem vontade de levar seu cachorro para passar um domingo divertido junto com você e com a sua família, anote na agenda: a próxima edição da DOG RUN já está marcada para o dia 16/07, e a EUROPA estará novamente presente, oferecendo água de qualidade e celebrando esse momento simples e alegre da vida.

 

 

Descubra 7 sinais que indicam se você está bebendo pouca água

Normalmente, só percebemos que a nossa ingestão diária de água pode estar baixa quando sentimos muita sede. Porém, há vários outros sintomas que muitas vezes nem imaginamos que possam estar relacionados à desidratação, e que nos dão uma boa dica de que o nosso corpo precisa de mais água. Vamos conhecer alguns deles?
shutterstock_1545286 (1)1) Pele ressecada

A pele é a primeira a apresentar os sinais da desidratação, já que a falta de água no corpo inibe a produção do suor, impedindo a eliminação da sujeira e do óleo acumulados do dia.shutterstock_398166430 (1)

2) Dores nas articulações

Os nossos discos de cartilagem e da coluna vertebral são constituídos por cerca de 80% de água. Para que as articulações absorvam o choque dos nossos movimentos e para evitar o desgaste dos ossos se chocando uns com os outros, é necessário manter o corpo sempre hidratado.

shutterstock_391580323 (1)3) Doenças recorrentes

Os nossos órgãos trabalham continuamente para filtrar resíduos e eliminar toxinas por meio da água. Se o corpo estiver desidratado, os órgãos vão começar a retirar a água de outros lugares, como o sangue, por exemplo, o que pode gerar algumas doenças.

shutterstock_231865663 (1) 4) Boca seca

Esse é um dos sintomas mais óbvios, mas aquela sensação desagradável de ardência nos lábios pode significar que você está com sede e que precisa lubrificar as mucosas da boca e da garganta. Nesse caso, o ideal é beber água para restaurar a umidade da boca por mais tempo.

 shutterstock_396727762 (1)5) Cansaço e falta de energia

Mais uma vez, quando o corpo não recebe a quantidade de água necessária, ele busca a fonte em outros lugares, como no sangue. Quando isso acontece, o sangue pode deixar de fazer a oxigenação. Por sua vez, a falta de oxigênio leva à sonolência e à fadiga.

shutterstock_390092257 (1)6) Perda de massa muscular

Os músculos também são compostos de muita água, sendo assim, menos água no corpo significa menos massa muscular. Beber água antes, durante e depois de um treino é importante não apenas para manter o corpo hidratado, mas também para conduz o líquido aos lugares certos do seu organismo, diminuindo as chances de desenvolver inflamações e dores relacionadas aos exercícios.

shutterstock_390325057 7) Problemas com gases

Pode parecer estranho, mas quem sofre com flatulência constante, pode estar bebendo pouca água. A falta de água interfere diretamente no processo digestivo, fazendo com que o cólon utilize a água que deveria ser destinada pelos intestinos no passo seguinte da digestão, acarretando na produção de gases intestinais.

 

 

 

Água com açúcar realmente acalma?

No nosso país, é um costume oferecer um copo de água com açúcar a alguém que está muito nervoso, aflito e que acabou de passar por alguma situação muito estressante. Mas, será que essa combinação realmente tem efeito calmante?

Para muitas pessoas e muitos médicos, inclusive, água com açúcar não passa de uma crendice popular, funcionando apenas como um placebo. Um placebo é toda e qualquer substância sem qualquer propriedade medicinal ou farmacológica, que acaba tendo apenas um efeito psicológico para quem toma.

Ou seja, ao tomar água com açúcar, não existiria nenhuma substância calmante ativa fazendo efeito de fato no organismo, mas apenas a sensação da pessoa de que aquela mistura irá acalmá-la, o que muitas vezes funciona. O açúcar, quando ingerido, seja na água ou nos alimentos, é metabolizado pelo nosso organismo se transformando em glicose e frutose, duas importantes fontes de energia, que não possuem nenhum poder tranquilizante ou sedativo.

Porém, há quem acredite que água com açúcar tenha seu real valor. Isso se explica da seguinte maneira: o açúcar que é ingerido aumenta o nível de glicose no sangue, desencadeando a produção de insulina. Entre outras funções, a insulina é responsável por enviar sinais ao cérebro, aumentando o nível de serotonina. Já a serotonina, por sua vez, é um neurotransmissor que causa um efeito sedativo e calmante.

Como não há nenhuma comprovação científica a respeito da eficácia dessa mistura, a nossa famosa água com açúcar continuará dividindo opiniões. Então, na hora do nervoso,  é melhor contar até dez e respirar fundo ou então tomar um bom chá de camomila ou erva-cidreira para se acalmar. 😉

Doenças causadas por ingestão de água contaminada

Todos sabemos que é imprescindível beber água purificada. O consumo de água em condições impróprias ou de origem desconhecida é responsável por uma série de problemas de saúde. Mas será que temos conhecimento dos riscos que corremos e das doenças a que estamos expostos? A maioria das doenças transmitidas pela água é causada por micro-organismos presentes em reservatórios de água doce, habitualmente após contaminação por dejetos humanos ou de animais. A forma mais comum de contaminação é por meio da ingestão, seja diretamente bebendo água contaminada ou pelo consumo de alimentos lavados com água infectada. Listamos abaixo algumas doenças.

Hepatite A
A hepatite A é uma infecção viral transmitida pela via fecal-oral, ou seja, a pessoa precisa ter contato com fezes humanas contaminadas para se contaminar. A transmissão do vírus da hepatite A pode se dar pela contaminação de alimentos preparados por pessoas infectadas que não lavam as mãos após evacuarem ou pelo contato da água com fezes contaminadas, o que ocorre principalmente nos locais onde não há saneamento básico. Praias, rios e lagos que recebem esgoto não tratado podem ter suas águas contaminadas com o vírus da hepatite A. A doença apresenta-se habitualmente como um quadro de diarreia associada a perda de apetite, náuseas, vômitos, fraqueza, dor muscular, dor de cabeça e febre. Após uma semana surge a icterícia, sintoma clássico da hepatite A aguda, que se caracteriza por pele e olhos amarelados.

Diarreia Infecciosa
Importante causa de morbimortalidade no Brasil e em países subdesenvolvidos, a diarreia aguda tem incidência elevada e os episódios são frequentes na infância, particularmente em áreas com precárias condições de saneamento.  Vários vírus, germes, parasitas e bactérias podem contaminar a água, na maioria das vezes pela via fecal-oral, e causar quadros bem graves de desidratação. A manifestação predominante é o aumento do número de evacuações, com fezes aquosas ou de pouca consistência. Com frequência, é acompanhada de vômito, febre e dor abdominal.

 

Amebíase
Assim como a diarreia, a amebíase é adquirida por comer ou beber algo contaminado com material fecal. Essa doença é causada por uma ameba chamada E. histolytica, que entra no trato digestivo como um minúsculo ovo. As amebas se alimentam do muco da parede intestinal e começam a reprodução, se espalhando cada vez mais. A doença pode ser branda ou extremamente dolorosa quando o quadro se complica, sendo responsável por cerca de 100 mil mortes no mundo inteiro. A patologia é tratada com antibióticos.

contaminadaNADANDO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A ingestão ou o contato com água contaminada pode causar inúmeras doenças

 

Cólera
A cólera é uma infecção que ataca o intestino dos seres humanos e também é transmitida pela via fecal-oral, podendo ser adquirida por água e de alimentos contaminados. A Vibrio cholerae, bactéria causadora da doença, instala-se no intestino e passa a produzir uma toxina que ataca as células intestinais, provocando uma grave diarreia e fazendo com que o organismo elimine uma grande quantidade de água e sais minerais, acarretando séria desidratação. Quando a doença se manifesta, apresenta os seguintes sintomas: náuseas e vômitos, cólicas abdominais, diarréia abundante, esbranquiçada como água de arroz, podendo ocasionar cãibras e a perda de até um litro de água por hora.

 

Ascaridíase
É a verminose intestinal humana mais disseminada no mundo, causada por um parasita chamado Ascaris lumbricoides, popularmente conhecido como lombriga. A contaminação acontece quando há ingestão dos ovos infectados do parasita, que podem ser encontrados no solo, água ou alimentos contaminados por fezes humanas. O único reservatório é o homem. Se os ovos encontram um meio favorável, podem contaminar durante vários anos.

Créditos na imagem de capa: Paul Prescott/Shutterstock.com

 

Beber a água que fica ao lado da cama à noite pode fazer mal à saúde?

Muitas pessoas possuem o hábito de levar um copo de água para perto da cama na hora de dormir. A comodidade de não precisar levantar para ir à cozinha no meio da noite é o maior dos motivos. Mas será que esse inofensivo hábito carrega algum malefício? De acordo com um dos maiores especialistas em água do mundo, esse costume pode, sim, fazer mal à saúde.

Segundo estudo realizado pelo diretor do Instituto da Água da Universidade John Hopkins, nos Estados Unidos, Dr. Kellogg Schwab, a água que fica ao lado da cama, ou mesmo aquela que fica na sua mesa de trabalho por muitas horas, pode causar diversos problemas de saúde. Cada vez que tocamos o copo ou a garrafa com a boca, adicionamos à água microorganismos, que se multiplicam facilmente, principalmente quando a água se mantém em temperatura ambiente por muito tempo. E isso pode transformar o líquido em um coquetel de microorganismos.

E se o recipiente usado para deixar a água é uma garrafa, principalmente de plástico, o problema é ainda maior. Você já sentiu um cheiro engraçado quando abriu a sua garrafa? Ele é causado pela ação dos micro-organismos que ficam no interior e na boca do recipiente, que não costumamos lavar todos os dias e que na maior parte do tempo fica fechado. Lavá-lo ajuda? Nem sempre. E se não bastasse esse problema, “plástico e calor não combinam”, afirma o Dr. Schwab. Um segundo fator torna o uso de garrafas de plástico ainda mais perigoso: esses recipientes, em sua maioria, contém uma substância chamada bisfenol A, ou BPA. Essa substância, entre outras utilizadas na produção de alguns tipos de plástico, é liberada quando ele se encontra em temperaturas elevadas, o que é comum, por exemplo, quando deixamos a garrafa ao lado da cama em dias quentes ou esquecemos a garrafa com água dentro do carro (ou, até mesmo, quando levamos recipientes de plástico ao microondas!). O BPA é um desregulador de hormônios e pesquisas relacionam sua ação a doenças do coração, passando por infertilidade masculina e até mesmo câncer. Por fim, o tipo de plástico das garrafas de água mineral não foi criado para reutilização, afirma o especialista. Use-os uma única vez e recicle.

Então, como evitar esse problema se você tiver sede no meio da noite ou no expediente no trabalho? Vença a preguiça e levante para pegar um copo de água. Além de beber água fresca, de quebra você faz um exercício. :)

Fonte: http://time.com/3104999/old-water-sick/

shutterstock_67515262

Água gelada mata mais a sede?

No verão, o nosso corpo parece sentir mais necessidade de repor líquidos e de se refrescar. Por conta do aumento da temperatura corporal, suamos mais para manter o nosso corpo na temperatura ideal, diminuindo mais rapidamente o nível de água no nosso organismo e fazendo com que tenhamos a sensação de sede.

No Brasil, não importa em que época do ano estamos, há o hábito muito disseminado de tomar sempre água gelada, pois boa parte das pessoas acredita que ela mata mais a sede. Será que isso é verdade?

Na realidade, não. Não há nenhum estudo que aponte que água gelada mata mais a sede que água na temperatura natural e, de acordo com profissionais da área da saúde, esse é apenas uma preferência, um gosto pessoal. Muitas vezes, a água gelada é mais gostosa para algumas pessoas e, por conta disso, passa a sensação de matar a sede mais facilmente.

O que alivia a sensação de sede é o umedecimento das mucosas da boca e das papilas gustativas, independente da temperatura. Além disso, o nosso organismo gasta muita energia para manter a temperatura do nosso corpo e quando tomamos água gelada, ocorre um resfriamento dos órgãos internos fazendo com que o organismo tenha que trabalhar mais para fazer o corpo retomar à temperatura normal. Por isso, nosso corpo prefere a água natural, que o hidrata sem exigir nada dele. Isso pode ajudar a nos deixar com mais energia e nos sentirmos melhor.

O que é correto dizer é que a água gelada é mais eficaz justamente quando você estiver precisando baixar a temperatura do corpo, depois de praticar exercícios físicos ao sol, por exemplo. Ainda, há alguns profissionais da saúde que afirmam que o ideal é que a água seja ingerida sempre em temperatura um pouco inferior à do corpo (que fica na média dos 36 a 37,3 graus Celsius para 95% da população sadia).

Isso porque os líquidos quentes relaxam a musculatura do estômago e deixam o movimento peristáltico – que empurra a água para o intestino – mais lento. Dessa forma, a água demora mais a chegar ao intestino, onde é absorvida.

Seja com água fresca, natural ou gelada, o mais importante é cuidar sempre da hidratação do seu corpo, em todas as estações do ano 😉

X FECHAR

Sobre o que gostaria de saber?

Deixe sua sugestão com a gente, o seu tema pode ser escolhido para o próximo post.